fevereiro 25, 2009

Ponto final

#
Por fim, a confortável ignorância de não ter jamais a certeza que não era a única em sua vida acabara no exato momento em que o viu cruzar aquela porta, de mãos dadas com outra mulher.

Sentiu um frio na barriga e em seguida respirou fundo, cogitando qual era a chance daquela companhia feminina não passar de uma amiga, uma prima, quem sabe uma irmã desconhecida. Mas irmãos não se beijam assim.

Era isso mesmo. Ele estava ali, e estava com outra. Tinha feito o que ela mesma não teve coragem com o receio de machucar seus sentimentos, esfregando-lhe na cara a presença de outro homem.

Arrependeu-se na hora de ter proibido seu mais novo amante de acompanhá-la. Inventara uma desculpa qualquer. Queria evitar causar o desconforto que se via refém naquele momento.

Buscou acolhida num copo de cerveja. Beberia e beberia mais, a letargia alcoólica lhe faria companhia naquela noite.


Aquela cena dava solidez ao sentido de certa palavra que ela mesma havia jogado no ar: “acabou”.
Olhou para os dois mais uma vez, agora sem qualquer rancor, e sentiu-se aliviada.

Havia sobrevivido à verdade sem grandes arranhões e podia seguir adiante, sabendo que algumas certezas, afinal, não lhe fariam tanto mal assim.

6 comentários:

Babi disse...

Bonito texto.
Como diria o poeta:
"Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."
Agora o coração pode receber outro por inteiro ;)
Bjs

Giuline Vitória disse...

Passamos momentos sentindo muito medo. Acreditando que se tal coisa acontecesse talvez nao fossemos capazes de sobreviver. Mas, quando ela acontece e nós continuamos inteiras, é que percebemos o quão medíocre é o medo dos outros.
beijos e é bom te-la de volta.

fouchy disse...

E assim nós vivemos.. Encontros e Desencontros..

Paula Pereira disse...

Nossa, fazia tempo que não postava algum texto e no dia seguinte já tinha comentários kkk Deve ser o efeito da empatia dessas coisas que acontecem na vida da gente uma hora ou outra. Valeu pessoal!

M. disse...

É..os amores e suas dores e delicias. rs

Bjos!!!

Natália disse...

Olá..
Belo texto!

Saudações...